SEBRAE Inteligência Setorial

SEBRAE

Turismo

Imagem de título do setor Turismo
3 de outubro de 2018

Unicórnios no Turismo: tecnologia é a chave para as empresas do setor

Prezar a experiência do cliente do começo ao fim, romper barreiras, ultrapassar a burocracia e investir em tecnologia. É esse o melhor caminho para que uma empresa consiga alcançar o patamar de unicórnio.

Unicórnios no Turismo: tecnologia é a chave para as empresas do setor

Prezar a experiência do cliente do começo ao fim, romper barreiras, ultrapassar a burocracia e investir em tecnologia. É esse o melhor caminho para que uma empresa consiga alcançar o patamar de unicórnio. Ou seja, para que tenha o valor de mercado igual ou superior a US$ 1 bilhão. A conclusão faz parte de um debate que ocorreu no dia 28/09, durante a Abav Expo 2018. Até o momento, apenas três empresas brasileiras ostentam o título de unicórnio: 99, PagSeguro e Nubank.

General Manager do Voopter expõe sua opinião sobre o tema “Os unicórnios chegarão ao turismo? O que temos de concreto?” “Existe uma oportunidade enorme no Brasil, mas o primeiro passo é entender o peso da tecnologia nesse contexto. O consumidor está cada vez mais conectado. O fato é que tanto no mercado off-line quanto on-line, a tecnologia será fundamental para a escalada da empresa. Ela tem que ser utilizada para ajudar a experiência do consumidor”, avalia Juliana Vital, General Manager do Voopter.

De acordo com ela, ainda há muito espaço, principalmente no segmento do turismo, para inovar, desburocratizar e facilitar o acesso ao produto final que é viajar. “Empresas que possuem essa meta também têm que ter uma capacidade de mudança muito rápida para perceber as oportunidades e já se moldar a elas. É importante que elas tenham replicabilidade em outros mercados e que sejam um negócio disruptivo”, afirma a General Manager do maior metabuscador de viagens brasileiro.

Para a executiva, existe ainda um vale gigante em relação à experiência do cliente. “É preciso que ocorra um contato com esse cliente o tempo inteiro, o que chamamos de all in. O ideal é que a operação como um todo tenha fluidez”, sugere. A colocação foi reafirmada pela CMO da MaxMilhas, Tahiana D’Egmont. “Para as empresas do turismo, acredito que o próximo passo é conseguir conectar a experiência do consumidor de porta a porta, da origem ao destino. Temos que olhar a jornada como um todo”. A representante da MaxMilhas chamou a atenção para as dificuldades no setor do turismo, que envolvem, principalmente, pequenas margens de lucro e muitos custos.

Fonte:
DIÁRIO DO TURISMO
Autor:
DIÁRIO DO TURISMO
Publicado em:
3 de outubro de 2018

Você também vai gostar de ler

  • E-book: Tecnologia
    E-book: Tecnologia

    13 de maio de 2021

    E-book: Tecnologia

    É relevante o papel das empresas de alto crescimento na geração de valor. Pela importância do resultado positivo que podem gerar na economia do país, essas empresas têm sido alvo de um crescente volume de estudos e programas que procuram caracterizá-las e entendê-las de forma a subsidiar estratégias que promovam o seu desenvolvimento.

    Leia mais
  • E-book: Inovação
    E-book: Inovação

    12 de maio de 2021

    E-book: Inovação

    A velocidade das mudanças do mundo está promovendo transformações como em que vivemos, interagimos, aprendemos e fazemos negócios. Essas mudanças estão dando espaço para o surgimento de pequenos negócios que nascem ambiciosos, com pensamento global, atentos às tendências tecnológicas e mais abertos à inovação.

    Leia mais