SEBRAE Inteligência Setorial

SEBRAE

Turismo

Imagem de título do setor Turismo
3 de outubro de 2018

Unicórnios no Turismo: tecnologia é a chave para as empresas do setor

Prezar a experiência do cliente do começo ao fim, romper barreiras, ultrapassar a burocracia e investir em tecnologia. É esse o melhor caminho para que uma empresa consiga alcançar o patamar de unicórnio.

Unicórnios no Turismo: tecnologia é a chave para as empresas do setor

Prezar a experiência do cliente do começo ao fim, romper barreiras, ultrapassar a burocracia e investir em tecnologia. É esse o melhor caminho para que uma empresa consiga alcançar o patamar de unicórnio. Ou seja, para que tenha o valor de mercado igual ou superior a US$ 1 bilhão. A conclusão faz parte de um debate que ocorreu no dia 28/09, durante a Abav Expo 2018. Até o momento, apenas três empresas brasileiras ostentam o título de unicórnio: 99, PagSeguro e Nubank.

General Manager do Voopter expõe sua opinião sobre o tema “Os unicórnios chegarão ao turismo? O que temos de concreto?” “Existe uma oportunidade enorme no Brasil, mas o primeiro passo é entender o peso da tecnologia nesse contexto. O consumidor está cada vez mais conectado. O fato é que tanto no mercado off-line quanto on-line, a tecnologia será fundamental para a escalada da empresa. Ela tem que ser utilizada para ajudar a experiência do consumidor”, avalia Juliana Vital, General Manager do Voopter.

De acordo com ela, ainda há muito espaço, principalmente no segmento do turismo, para inovar, desburocratizar e facilitar o acesso ao produto final que é viajar. “Empresas que possuem essa meta também têm que ter uma capacidade de mudança muito rápida para perceber as oportunidades e já se moldar a elas. É importante que elas tenham replicabilidade em outros mercados e que sejam um negócio disruptivo”, afirma a General Manager do maior metabuscador de viagens brasileiro.

Para a executiva, existe ainda um vale gigante em relação à experiência do cliente. “É preciso que ocorra um contato com esse cliente o tempo inteiro, o que chamamos de all in. O ideal é que a operação como um todo tenha fluidez”, sugere. A colocação foi reafirmada pela CMO da MaxMilhas, Tahiana D’Egmont. “Para as empresas do turismo, acredito que o próximo passo é conseguir conectar a experiência do consumidor de porta a porta, da origem ao destino. Temos que olhar a jornada como um todo”. A representante da MaxMilhas chamou a atenção para as dificuldades no setor do turismo, que envolvem, principalmente, pequenas margens de lucro e muitos custos.

Fonte:
DIÁRIO DO TURISMO
Autor:
DIÁRIO DO TURISMO
Publicado em:
3 de outubro de 2018

Você também vai gostar de ler