SEBRAE Inteligência Setorial

SEBRAE

Turismo

Imagem de título do setor Turismo
19 de janeiro de 2022

Turismo arrecadou em novembro de 2021 quase 20% a mais que em 2020

Apesar do número positivo, o setor continua 15,5% inferior ao nível pré-pandemia, medido em novembro de 2019.

Aeroporto

O brasileiro voltou a viajar. A pesquisa divulgada nesta terça-feira (18) pelo Conselho de Turismo da Fecomercio-SP, com base nos dados do IBGE, aponta que o turismo nacional faturou cerca de R$ 14 bilhões em novembro, aumento de 19,3% em relação ao mesmo período de 2020.

Apesar do número positivo, o setor continua 15,5% inferior ao nível pré-pandemia, medido em novembro de 2019.

O destaque é para o setor de transporte aéreo, com faturamento de R$ 4 bilhões no mês; alta de 63,3% em comparação a novembro de 2020. Mas, é 19% inferior ao apurado em 2019.

Morador de Brasília, o economista Heris Coutinho esperou a terceira dose da vacina contra à covid para tirar as férias. Ele conta que após dois anos sem viajar, aproveitou para ir à Fortaleza, no Ceará, mas manteve todos os cuidados sanitários como uso de máscara.

A Fecomercio-SP afirmou que os bons resultados de novembro podem ser sentidos pelo avanço da vacinação e as férias de verão. A federação considera provável uma nova leitura positiva em dezembro. Já o mês de janeiro deve sentir os impactos do avanço da variante ômicron.

O agente de viagens Yann Sampaio conta que o aumento é expressivo e está sendo sentido pelos profissionais do setor. Ele afirma que a procura por viagens tem aumentado nos últimos meses.

Nessa terça-feira (18), a Organização Mundial do Turismo, órgão ligado à ONU, soltou um comunicado com expectativa parecida para o setor em nível internacional. Segundo a OMT, as viagens de turismo ao exterior não devem recuperar os níveis pré-pandemia antes de 2024. O levantamento publicado nesta terça-feira (18) prevê um começo de 2022 condicionado pela variante ômicron.

De acordo com texto, o ritmo da recuperação continua lento e desigual nas diferentes regiões do mundo, devido aos graus distintos de restrição à mobilidade, às taxas de vacinação e à confiança dos viajantes.

Fonte:
Agência Brasil
Autor:
Kariane Costa
Publicado em:
18 de janeiro de 2022

Você também vai gostar de ler