SEBRAE Inteligência Setorial

SEBRAE

Alimentos

Imagem de título do setor Alimentos
27 de junho de 2022

Tecnologia ajuda restaurantes a fidelizarem clientes do delivery

Para executiva do Menu, um dos desafios do foodservice é trazer o cliente para comprar direto com a marca

Alimentos

Com a chegada da pandemia, em março de 2020, bares e restaurantes de todo o mundo foram obrigados a migrar para um atendimento 100% digital para não fecharem as portas. Como muitos não estavam preparados para isso, os aplicativos foram uma saída instantânea. Com a reabertura e a retomada do setor de foodservice, em meados de 2021, a questão é como fidelizar o cliente do delivery?

“A dependência do delivery hoje é uma coisa que incomoda muitas redes. O desafio é conseguir formas diferentes, com programas de fidelidade, de trazer o cliente para comprar direto com a marca e não depender tanto de terceiros para aumentar a sua rentabilidade”, afirma Gabriela Conrado, global key account manager da Menu, plataforma de tecnologia para restaurantes.

De uma hora para outra, além da dependência do delivery, os operadores tiveram que gerenciar as vendas e os resultados de diferentes canais. Foi justamente na pandemia que a Menu viu seu negócio deslanchar, quando passou a trabalhar com o Restaurant Brands International, que tem mais de 1.100 lojas no mundo, entre as marcas da Burger King e Popeyes.

“A pandemia foi quando tivemos o maior crescimento, principalmente pela demanda que era o maior desafio dos restaurantes, com as lojas fechando. Não substituímos o tráfego que eles tinham antes da pandemia, mas reduzimos o impacto das portas fechadas”, afirma Francisco Molina, head of sales da empresa.

Chegada no Brasil

Com foco em grandes e médias redes, com mais de 50 lojas, a empresa desenvolve diferentes soluções de tecnologia de atendimento e gerenciamento para os operadores de foodservice.

A Menu foi criada como um aplicativo, em 2014, por um adolescente de 14 anos na Suíça, que ficou incomodado em ter que esperar o garçom para pagar a conta. A empresa foi se desenvolvendo ao longo dos anos e se tornou um marketplace com vários restaurantes em seu aplicativo, além de oferecer soluções white label para grandes redes.

A empresa lançou uma subsidiária no Brasil neste ano e estuda as particularidades do mercado brasileiro de foodservice para fazer adaptações. “Há um ponto interessante do mercado brasileiro em si. Muitas vezes, o que é pequeno e médio no Brasil já é grande num modelo europeu”, explica Gabriela.

Para isso, a empresa está fazendo adaptações no modelo de preços. “Estamos avaliando um modelo de preço a base de pedidos, já que no Brasil existem restaurantes que vendem mais do que 30 restaurantes de uma rede m outro país”, diz Molina.

Fonte:
Mercado e Consumo
Autor:
Larissa Féria
Publicado em:
27 de junho de 2022

Você também vai gostar de ler