SEBRAE Inteligência Setorial

SEBRAE

Moda

Imagem de título do setor Moda
4 de novembro de 2019

TECIDOS NATURAIS E CORANTES VEGETAIS, A MODA VERDE DA AGRITESSUTI

A “moda agrícola” é um mercado que já vale 30 milhões de euros na Itália, e está começando a abrir espaço no concorrido mundo da moda por causa da sustentabilidade

TECIDOS NATURAIS E CORANTES VEGETAIS, A MODA VERDE DA AGRITESSUTI

Na Itália, nos últimos dois anos, a demanda por itens sustentáveis cresceu 78% e hoje 55% dos usuários estão dispostos a pagar mais por itens ecologicamente corretos. Esse é o contexto da Donne in Campo, uma associação de mulheres de agricultores da Cia-Itália, cuja nova marca Agritessuti combina agricultura e moda ecológica. A “moda agrícola” é um mercado que já vale 30 milhões de euros na Itália, e está começando a abrir espaço no concorrido mundo da moda por causa da sustentabilidade.

Desfile de moda ética

A Donne in Campo organizou recentemente em Roma o ” Paisagens para vestir – Mulheres no campo cultivam moda”, a iniciativa estabeleceu como objetivo demonstrar que é possível uma cadeia têxtil 100% eco-sustentável Made in Italy, com tecidos naturais e corantes verdes confeccionados com produtos agrícolas e resíduos.

O projeto de combinar roupas, agricultura e meio ambiente de maneira eficaz e construtiva teve como testemunho várias histórias de casos de empresas e um desfile ético de vestidos de noite e prêt-à-porter feitos de tecidos orgânicos e coloridos com vegetais, frutas, raízes, folhas e flores.

Agritessuti, a cadeia de suprimentos que é boa para a economia

Segundo a presidente da Donne in Campo, Pina Terenzi, a produção de linho, cânhamo e seda de amoreira envolve hoje cerca de 2.000 agricultores na Itália, com um faturamento de 30 milhões de euros em atividades relacionadas. Se a cadeia do Agritessuti fosse incentivada, esse número poderia triplicar nos próximos três anos. Como? Ao envolver as 3.000 empresas que produzem plantas medicinais, e é claro, combinando tingimento têxtil com resíduos agrícolas: como folhas de alcachofra, casca de romã, casca de cebola, resíduos de poda de oliveiras e cerejeiras, ouriços de castanha.

“A sustentabilidade deve permear em todo o negócio têxtil” conclui Pina Terenzi, convidando outros setores a se reformarem: métodos de produção que economizem o meio ambiente, com o uso de corantes que desperdiçam menos água ou o uso de resíduos como material antes. A agricultura revela-se na vanguarda deste processo de mudança, com as mulheres promotoras de uma nova forma de produzir moda respeitando o planeta”.

O exemplo da moda agrícola do desenvolvimento sustentável

Hoje, as mulheres da Donne in Campo enfatizam, a indústria têxtil é a segunda mais poluidora do mundo, responsável por 20% do desperdício de água global e 10% das emissões de dióxido de carbono. Considerando que o consumo mundial de roupas está destinado a crescer mais de 60% até 2030, é evidente o enorme potencial de uma cadeia de suprimentos têxtil de orientação ecológica pode representar de 15 a 20% do volume de negócios do setor na Itália (4,2 bilhões de euros).

https://www.youtube.com/watch?v=n5vrUW-LWXI

https://www.youtube.com/watch?v=MrVAchkZOc4

Fonte:
Stylo Urbano
Autor:
Stylo Urbano - Por Renato Cunha
Publicado em:
1 de novembro de 2019

Você também vai gostar de ler