SEBRAE Inteligência Setorial

SEBRAE

Petróleo e Gás

Imagem de título do setor Petróleo e Gás
5 de junho de 2019

Smart Energy: Acessível e sustentável

Neste dia Nacional do Meio Ambiente, que tal aprender um pouco mais sobre Smart Energy?

Smart Energy: Acessível e sustentável

Com o crescimento global contínuo, em riqueza e em população, cresce a demanda por energia: o consumo global de energia primária deve aumentar em 25% até 2030¹. Sendo a energia fator determinante para o crescimento econômico, a correlação é alta entre PIB e consumo de energia. Ela é parte considerável dos custos operacionais; os setores de química, cimento, metais e mineração, p.ex., consomem cerca de um terço de seu orçamento operacional em energia (mais acentuado em economias em desenvolvimento, com custo menor de mão-de-obra).

Garantir energia para todos é prioridade de qualquer política pública que, associada a crescente preocupação com a sustentabilidade do planeta, motiva a busca por fontes alternativas de geração, ainda longe de um cenário ideal: em 2018, 70% do aumento da demanda mundial foi atendida por petróleo, gás natural e carvão, só 30% por energias renováveis, implicando num aumento de 1,4% nas emissões de dióxido de carbono (C02), primeiro aumento desde 2014 (Mckinsey, fev/2019).

Relatórios da McKinsey (Global Energy Perspective Reference, 2018/2019) destaca as tendências para o futuro da energia global: (a) incremento de demanda de mais de 25% até 2050, impulsionada pela expansão populacional e econômica na Ásia e na África; (b) demanda de combustíveis fósseis tende a diminuir até 2035, após atingir o pico em 2028; (c) pico da demanda por petróleo em 2037, e de gás até 2035; (d) custos das energias renováveis tende a cair, superando a capacidade de combustível fóssil em cinco a dez anos. A medida que os custos das energias renováveis diminuem (inclusive o custo de construção de energia solar e eólica), alguns países atingirão o ponto de inflexão em cinco anos.

Essa transição nos sistemas de energia tem implicações para governos, mercados e indivíduos. O ritmo e a intensidade da transição são função, dentre outros fatores, de arcabouço regulatório, de adoção pelo mercado de sistemas de energia renováveis, de incremento na comercialização de energia (maior conectividade), e de preferência dos atores econômicos por energia renováveis em vez de fontes convencionais de energia (consciência ecológica). A indústria automotiva, grande poluidora do meio-ambiente, deverá sofrer uma das maiores mudanças com os veículos elétricos, potencialmente mais econômicos do que os veículos com motor de combustão (para carros de passageiros e para caminhões).

Smart Energy

"Smart Energy” é um conceito que rompe com o foco tradicional de produção e consumo de energia, buscando maximizar a eficiência do processo; o consumidor, empresa e indivíduo, se torna o centro do sistema, com oferta de serviços mais eficientes e ecológicos. O modelo é formado (a) pelo consumidor, com uma atitude mais ativa; (b) pelas redes, otimizando a distribuição com troca de informação em tempo real; e (c) pelos fornecedores, expandindo para além das fontes tradicionais agregando geração de fontes renováveis e de pequena escala. O principal objetivo é economizar recursos e minimizar o impacto ambiental.

Inicialmente o propósito era agregar sistemas inteligentes na rede de distribuição de energia, denominado de “Smart Grid” (rede elétrica inteligente), i.é., usar tecnologias de informação para tornar o sistema mais eficiente, econômica e energeticamente. Refere-se, dentre outros procedimentos, à instalações de sensores nas linhas da rede de energia capazes de captar informações sobre a operação e o desempenho. Com a crescente ampliação para fontes diversificadas de geração de energia, o conceito foi substituído para “Smart Energy”, com o objetivo de transformar em “inteligente" o sistema como um todo, incluindo a automação da rede de distribuição, e a microgeração distribuída de energia renovável pelos consumidores.

Os principais benefícios são: transmissão de eletricidade mais eficiente, restauração mais rápida após interrupção não programada, redução de custos operacionais incluindo os serviços públicos, redução na demanda de pico contribuindo para reduzir as tarifas, integração mais efetiva de sistemas de energia renovável.

“Smart Energy” é um conceito de energia inteligente, em que todos os elementos estão integrados - produção, armazenamento e consumo -, contando com o engajamento ativo dos usuários, que alguns chamam de “inteligência coletiva”.

¹Technologies that could transform how industries use energy, McKinsey, 17/05/2019.

Fonte:
Sebrae - Inteligência Setorial
Autor:
Dora Kaufmann - Consultora do Sebrae
Publicado em:
5 de junho de 2019

Você também vai gostar de ler