SEBRAE Inteligência Setorial

SEBRAE

Moda

Imagem de título do setor Moda
17 de junho de 2021

PME cria o enxoval pet personalizado e dobra vendas

Setor pet: saiba como a empresa DogDecor dobrou o seu faturamento com o produto Enxoval Pet. Entenda também sobre o crescimento do setor na pandemia

Mercado Pet

O setor pet ainda não conheceu a crise. E, se depender daqueles que não abrem mão do animalzinho de estimação, continuará crescendo. Segundo dados da Pesquisa Nacional de Saúde - PNS, divulgada em setembro do ano passado pelo IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 46,1% dos lares tinham, ao menos, um cachorro. Já os gatos estavam presentes em 19,3% dos domicílios.

Além disso, no ano passado, em matéria disponível no blog da Revista Clínica Veterinária, várias ONgs e centros protetores de animais, pelo país inteiro, registraram um aumento no número da adoção de gatos e cachorros. Logo, em meio a tanto amor pelos pets, teve quem soubesse transformar este sentimento em um negócio lucrativo. Neste conteúdo, veja alguns números e entenda mais sobre o crescimento do setor na pandemia. Conheça o case da DogDecor, empresa que dobrou o faturamento com um produto muito curioso para pets.

Brasil é o segundo maior mercado de produtos pet no Mundo

Em 2020, a economia brasileira registrou uma queda de 4,1% no PIB, conforme dados do IBGE. Por outro lado, o setor pet teve um crescimento de aproximadamente 13,5% em relação ao ano anterior e o faturamento, acredite, ultrapassou os 40 bilhões de acordo com o Instituto Pet Brasil -IPB.

Ainda segundo o Instituto, o Brasil está entre as três primeiras posições em um ranking mundial de consumo de produtos para pets, ao lado dos EUA e da China. Dessa forma, entre os animais de estimação mais preferidos, estão os cães, segundo a da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação -ABINPET.

Nelo Marraccini, presidente-executivo do IPB, avalia que são três os fatores que explicam essa movimentação no mercado de produtos para pets no Brasil: profissionalização, pioneirismo e inovação.

Setor pet cresce durante a pandemia : Pessoas em casa em isolamento social e um doguinho: o resultado não podia ser outro. O Instituto Pet Brasil, apontou que via e-commerce, os produtos pet registraram um aumento de 65,57% no faturamento em 2020. Em síntese, somente nos seis primeiros meses do ano, o valor apurado foi de R$2,47 bilhões.

Dentre os produtos mais vendidos do mercado pet estão rações, produtos veterinários e de higiene e acessórios, segundo o IPB.

Conheça pequena empresa DogDecor

Conforme o IPB, o brasileiro gasta por mês, em média, R$338,76 com seu cãozinho. Mas esse valor pode variar de acordo com alguns fatores, como tamanho, raça, saúde e idade do animal, bem como a classe social do ano e a região em que mora.

Entretanto, tem muita gente por aí gastando bem mais que isso por mês, a fim de oferecer mais conforto aos seus animais. . A DogDecor, empresa que confecciona enxovais personalizados para cães, sabe bem disso. Afinal, a idealizadora do negócio, Natália Sumida, viu o faturamento da DogDecor simplesmente aumentar na pandemia. A empresa existe desde 2018 e encanta os seus clientes nas redes sociais.

Ao todo, ela acumula quase 8 mil seguidores, verdadeiros apaixonados pelos seus bichinhos e pelo trabalho de Natália. Cada produto vendido é registrado e divulgado. Ela acredita também que foi essa presença digital que contribuiu para o crescimento do negócio em plena pandemia.

Junto com isso, o isolamento social aproximou as pessoas de seus lares, bem como dos bichinhos. Assim, elas começaram a perceber outras necessidades não somente para si, como também para os animais de estimação. “Ficando mais em casa, as pessoas começaram a dar mais atenção ao seu bichinho, dar mais carinho, e outras pessoas, para enfrentar o isolamento social, começaram a adotar”, disse Natália à revista Pequenas Empresas e Grandes Negócios.

Surge o produto enxoval pet personalizado

Natália Sumida é moradora de Sorocaba, na cidade de São Paulo. Ela é design de produtos e amante dos pets. Ou seja, o negócio lucrativo do casal começou quando eles adotaram a primeira cachorrinha de estimação, a Maria. A empresária teve a ideia de produzir vários produtos de decoração para cães, como porta-coleiras, porcelanas pintadas à mão e almofadões.

Ela começou a se perguntar: " O que será que as pessoas compram quando adquirem um bichinho novo para a família?". Assim, o casal aos poucos foi expandindo o negócio e começaram a fazer peças-piloto de caminha, edredom e travesseiros.

Entretanto, as pessoas começaram a perguntar se era possível colocar o desenho da raça e Natália comprou a ideia. Nesse contexto, ela começou a divulgar os produtos nas redes sociais, o que aumentou a procura.

A produção das peças é terceirizada. Após o cliente escolher a arte que vai nos produtos, eles são enviados, respectivamente, à estamparia e à costureira. Assim que recebe novamente os produtos, Natália prontamente tira as fotos e produz vídeos, tanto para enviar aos clientes quanto para publicação nas redes sociais.

Marca registra o dobro do faturamento

O investimento inicial da empresa foi de R$3.500,00 e o faturamento dobrou rapidamente, de forma inesperada, conta Natália. Cada enxoval completo pode variar entre R$250,00 e R$400,00. O planejamento para 2021 é dobrar novamente o faturamento atual, que é de R$6.000,00 por mês e investir mais em redes sociais, pois ela acredita ser o melhor meio de comunicação com os clientes.

Dessa forma, conforme dados da Euromonitor, as projeções para o setor brasileiro pet continuam sendo empolgantes: entre 2020 e 2025, aguarda-se um crescimento de 42,7%. Conforme a pesquisa Global Pet Service Market: Growth Trends and Projections 2020-2025, o mercado mundial deve crescer, no mesmo período, 5,2%.

Fonte:
Whow!
Autor:
Redação
Publicado em:
16 de junho de 2021

Você também vai gostar de ler