SEBRAE Inteligência Setorial

SEBRAE

Moda

Imagem de título do setor Moda
5 de agosto de 2019

O DESPERDÍCIO TÊXTIL AUMENTOU 811% DESDE OS ANOS 60

Conforme relatado pelo Retail Dive , os dados da EPA estimam que os resíduos têxteis aumentaram de 1,76 milhão de toneladas em 1960 para 16 milhões de toneladas em 2015

O DESPERDÍCIO TÊXTIL AUMENTOU 811% DESDE OS ANOS 60

Segundo pesquisa conduzida pela Agência de Proteção Ambiental (EPA), os resíduos têxteis aumentaram em 811% entre 1960 e 2015. Conforme relatado pelo Retail Dive , os dados da EPA estimam que os resíduos têxteis aumentaram de 1,76 milhão de toneladas em 1960 para 16 milhões de toneladas em 2015. A quantidade de têxteis que acabaram em aterros também teve um aumento acentuado, de 1,71 milhões de toneladas em 1960 para 10,5 milhões de toneladas em 2015, o que equivale a 66% do lixo têxtil.

Mais de uma dúzia de categorias foram analisadas, com os plásticos mostrando o maior aumento de resíduos desde 1960, a uma colossal 8.746%. Borracha e couro, materiais comuns utilizados em calçados e vestuário, também mostraram um aumento significativo de 361%. Embora o desperdício seja gerado de ambos os lados, por meio dos consumidores e das marcas que produzem os produtos, as empresas podem ser fundamentais para definir o tom das práticas éticas. Com a sustentabilidade continuando a ser um tópico premente em todos os setores, muitas marcas anunciaram novas iniciativas para apoiar os esforços de uma moda circular.

No ano passado, a Burberry foi criticada após a revelação de que a empresa havia queimado milhões de dólares em itens não vendidos. Desde então, anunciou que colocará um fim nesse processo, além de não usar mais peles de animais. Em maio, a Nike lançou seu “Guia de Design Circular” para promover a sustentabilidade na indústria e abordar o crescente impacto das mudanças climáticas. Enquanto isso, a Fast Retailing, matriz da UNIQLO, prometeu reduzir o uso de plástico de uso único em 85% até 2020, e a Zara anunciou seus próprios planos para usar tecidos 100% sustentáveis ​​até 2025.

Jackie King, diretor executivo da Materiais Secundários e Têxteis Reciclados (SMART), disse ao Supply Chain Dive que o problema piorou significativamente na última década. Ela explicou que “muitas das roupas de fast fashion não são muito bem feitas e podem não durar mais do que algumas lavagens antes de acabar no aterro”. Obviamente que a quantidade de resíduos aumentou pois a população global atual é maior do que nos anos 60. Quanto mais pessoas consumindo, mais resíduos são gerados. É necessário desenvolver tecnologias mais eficiente de reciclagem para aproveitar toda essa matérias prima descartada em novos produtos.

Imagem: Delta Equipamentos

Fonte:
Stylo Urbano
Autor:
Stylo Urbando - Por Renato Cunha
Publicado em:
1 de agosto de 2019

Você também vai gostar de ler