SEBRAE Inteligência Setorial

SEBRAE

Alimentos

Imagem de título do setor Alimentos
16 de abril de 2018

NEGÓCIO DE COMIDA HAVAIANA CONQUISTA SÃO PAULO E FATURA R$ 7,9 MILHÕES POR ANO

Com 15 lojas próprias em São Paulo, a Poke Poke Brasil planeja restaurantes.

foto

Foi após a viagem de um amigo a Califórnia que os empreendedores Karin Sato, João Chinen e Marcelo Chinen conheceram os pokes, típico prato havaiano. A comida, servida em tigelas, leva peixe cru em cubos com arroz e poucos acompanhamentos.

Como os irmãos Chinen já empreendiam no setor de alimentação, decidiram investir na ideia. Abriram o primeiro Poke Poke Brasil em janeiro de 2016, e o negócio não parou de crescer. São 15 lojas próprias no estado de São Paulo e um faturamento de R$ 1,5 milhão por mês - a empresa fechou 2017 com R$ 7,9 milhões.

Segundo Marcelo Chinen, o primeiro passo que os empreendedores deram foi investir em um negócio menor, para testar o modelo. Com R$ 300 mil de capital inicial, criaram um quiosque da Poke Poke Brasil, em um shopping center na cidade de São Paulo. Com a resposta positiva, decidiram crescer.

“A alta demanda mostrou que tínhamos uma boa oportunidade na mão”, diz Chinen. Então abriram a segunda unidade, sua primeira loja física, e transformaram o quiosque em mais uma loja física. “A gente percebeu que esse era o melhor modelo para o negócio.”

enter image description here

De acordo com Chinen, o medo de que o poke fosse mais uma moda passageira, como as paletas mexicanas ou as casas de frozen yogurt, fez com a empresa se preparasse. “Em vez de aderirmos às franquias para crescer rapidamente, decidimos dar o passo do tamanho da perna.”

Mesmo assim, seguiram crescendo. Em dois anos de negócio, já são 15 lojas espalhadas pelo estado de São Paulo – número que deve chegar a 28 até o fim do primeiro semestre.

Com um tonelada de salmão importado vendida por mês, Chinen diz que a logística do negócio é um dos grandes desafios. “Foi preciso pesquisar muito o mercado para encontrar o nosso fornecedor. Outro passo importante foi encontrar uma equipe que abraçasse o negócio”, diz.

Com ticket-médio de R$ 39, cada loja fatura, em média, R$ 100 por mês, o que rendeu a Poke Poke Brasil um faturamento mensal de R$ 1,5 milhão e 2017 fechou com R$ 7,9 milhões. Com os ganhos, têm investido na expansão para outros estados. A empresa deve lançar as duas primeiras lojas no Rio de Janeiro até o fim de julho.

“Eu não acredito que os pokes sejam uma coisa passageira, ou a gente não investiria tanto nisso.”

Imagem: divulgação

Fonte:
Pequenas Empresas & Grandes Negócios
Autor:
Rennan A. Julio
Publicado em:
16 de abril de 2018

Você também vai gostar de ler