SEBRAE Inteligência Setorial

SEBRAE

Construção civil

Imagem de título do setor Construção civil
6 de fevereiro de 2019

Como evitar problemas frequentes em construções com containers?

Vedação e conforto térmico são alguns pontos que merecem cuidados especiais na construção com módulos navais. Lãs minerais e lã de PET de alta densidade podem contribuir para o controle da temperatura

Como evitar problemas frequentes em construções com containers?

Economia, durabilidade, velocidade de execução e, principalmente, baixo impacto ambiental. Essas são características que induzem o uso de containers navais para a construção de edificações permanentes, sejam residenciais ou comerciais.

Fabricados na maior parte das vezes em aço, esses módulos estão em alta e são uma alternativa construtiva que chega ao canteiro de obras praticamente prontos, com os vãos já recortados. Isso garante uma obra limpa e com mínima geração de resíduos, baseada em um produto de reuso.

CUIDADOS NECESSÁRIOS

Ainda que sejam resistentes e consistam em uma boa alternativa construtiva, o reaproveitamento de containers para estruturar edificações não pode prescindir de alguns cuidados para evitar patologias e retrabalhos.

O arquiteto Marcel Piras, sócio da construtora Ecohome, explica que os cuidados devem começar na escolha do container. Entre os aspectos a serem considerados, ele destaca a importância de verificar se o produto possui todas as documentações necessárias para servir para outros fins além do transporte de cargas e se ele não foi utilizado para carregar nenhum material químico ou radioativo. Também é preciso verificar se o container está em boas condições estruturais, sem amassados relevantes.

Como ocorre na construção convencional, uma edificação estruturada com container não pode abrir mão de um projeto de arquitetura, que estudará as melhores opções para o layout e a forma de conexão entre os módulos (quando a construção exigir a utilização de mais de um container). Um bom projeto de arquitetura é importante, ainda, para detectar quais são as áreas mais críticas com relação ao conforto térmico e acústico, especificando o tratamento mais adequado.

Segundo Piras, projetos complementares também são importantes, especialmente os de hidráulica e elétrica. “Há uma série de questões que somente um bom projeto pode responder. O teto do container é capaz de aguentar uma caixa d’água? Se sim, até quantos litros? A passagem da tubulação de água e esgoto afetará alguma longarina do módulo? Como serão fixadas as eletrocalhas?”, cita o arquiteto.

CONFORTO TÉRMICO E ACÚSTICO

Um ponto crítico na construção com containers é o conforto térmico e acústico. Para isso, o engenheiro e consultor Olavo Fonseca Filho, recomenda a construção de contra-paredes de drywall junto a todas as paredes do container formando um sanduíche. O espaço de ar entre as faces interna e externa, em torno de 5 cm, deve ser preenchido com mantas compostas por lãs minerais ou de PET de alta densidade.

“Como nas paredes, o ambiente deve receber um forro hermético em drywall com lã mineral no entreforro. O piso, por sua vez, pode ser executado em sistema de painel wall de 40 mm de espessura, garantindo rigidez e isolamentos térmico e acústico”, sugere Fonseca Filho. Segundo eles, lãs isolantes empregadas nessas aplicações devem ter densidade de, no mínimo, 30 kg/m³.

Outros elementos também contribuem para o desempenho térmico e acústico das construções com containers. A cor escolhida para a pintura da envoltória, por exemplo. Cores mais escuras tendem a absorver mais calor, deixando os ambientes internos mais quentes.

“Além disso, a utilização de elementos externos aos containers, como vegetação, biombos, painéis decorativos e cobogós podem auxiliar na tarefa de controlar a temperatura, particularmente nas fachadas com orientação solar mais crítica”, explica Marcel Piras. O arquiteto lembra que quando nenhuma dessas opções pode ser adotada ou se mostra suficiente, os aparelhos de ar-condicionado poderão ser necessários para garantir temperaturas agradáveis no interior.

SEM UMIDADE

A vedação é outro ponto que pode gerar problemas em projetos com containers. Para evitar infiltrações, a utilização de parafusos em qualquer parte exposta do módulo é proibida. Caso seja necessário fixar algum elemento ao container, isso deverá ser feito com solda ou com a utilização de ímãs.

Em obras com mais de um container, a conexão entre eles deve ser bem estudada, para garantir que essa junção não gere ponto de infiltração. Segundo Marcel Piras, a utilização de rufos nessas conexões, com aplicação de sistemas de impermeabilização, como manta asfáltica por exemplo, é uma opção.

O caimento de água na cobertura dos containers precisa estar definido previamente, para evitar o acúmulo da água da chuva. “Mesmo depois de adotar todas essas medidas, se uma infiltração for detectada, a utilização de drenos e calhas internas irão evitar maiores transtornos”, finaliza Piras.

Fonte:
AECWEB
Autor:
AECWEB
Publicado em:
6 de fevereiro de 2019

Você também vai gostar de ler