SEBRAE Inteligência Setorial

SEBRAE

Alimentos

Imagem de título do setor Alimentos
7 de novembro de 2018

COMO ELABORAR UM CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA PARA MPE

A ética está na essência do Ser Humano e é fundamental ao relacionamento harmonioso. Ética significa honradez, confiança e compromisso, nessa sequência.

COMO ELABORAR UM CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA PARA MPE

Em qualquer situação, e nos negócios, o sucesso depende de integridade na conduta, consciência de bem comum e fidelidade aos deveres assumidos.

Nos negócios, e a rigor na dinâmica da vida, existem dois personagens básicos:

  • Vendedor (aquele que se propõe a prestar serviços);
  • Cliente (o reciprocamente beneficiário), agindo em interdependência.

O nível de maturidade desse relacionamento é a real garantia de segurança e continuidade.

Código de Ética na empresa

Um Código de Ética se justifica para visibilizar essa interação relacional orgânica, saudável, educativa na prevenção de conflitos e orientação nos acordos de convivência. Não é instrumento de suspeição e punição, embora as transgressões, por questão de justiça, mereçam reprimendas cabíveis.

O Código de Ética começa por especificar a missão, princípios e valores da empresa, e as condutas esperadas.

Fator relevante à sua autenticidade, é importante construí-lo com o máximo de participação coletiva. Significa não ser por encomenda, mas redigi-lo por consenso, por meio de representatividade reconhecida e validado pela coletividade.

Como?

Primeiro passo: Sensibilização

=> Implica encontros visando conscientizar os princípios e valores relevantes da cultura ética empresarial.

=> Na MPE podem ser realizados através de entrevistas personalizadas.

=> É útil elaborar um questionário para efeito de pesquisa das informações relevantes.

Segundo passo: Constituição de um Equipe Interna de Coordenação e Redação

=> A constituição de representantes da comunidade empresarial

Observação: No caso do micro ou pequena empresa a representação é menos por questão de proporcionalidade e mais pelo peso da autoridade. O próprio empresário, pode aconselhar-se com pessoas próximas.

=> O objetivo da equipe é dar sentido participativo e autenticidade ouvindo as pessoas à medida que o código é escrito.

Tópicos a serem considerados:

  • Nosso Compromisso (qualidade dos serviços e satisfação dos clientes):

Quais nossos deveres e obrigações com os vários públicos com quem nos relacionamos (consumidores/ fornecedores/ parceiros/governo/ comunidade)?

  • Nosso Negócio:

Quais produtos e serviços trabalhamos?

  • Nossos Colaboradores Diretos:

Como lideramos, integramos e desenvolvemos nossos funcionários?

Que esperamos de suas atitudes e conduta?

  • Situações Críticas:

Como prevenimos e solucionamos conflitos, chegando a acordos mutuamente positivos?

  • Desvios Éticos

Como tratamos problemas relacionados a má gestão, conduta e desvios éticos?

Quais as sanções previstas?

  • Nossos Sonhos:

O que queremos para o futuro?

Importante:

O Código de Ética, vale reforçar, não pode passar a ideia de algo formal, feito para impressionar ou para atender alguma exigência burocrática, mas ser um diferencial orientador de atitudes e comportamentos.

Pode ser reduzido a poucas folhas, tipo “Carta de Princípios”, mas que seja convincente, original, simples como referência de qualidade na educação dos colaboradores e na fidelização dos clientes.

Hoje fala-se muito em:

  • Compliance (processos transparentes nas decisões e ações empresariais)

  • Governança Corporativa (gestão focada nos princípios de liderança ética de equipes integradas, coesas e produtivas).

O Código de Ética, na MPE, deve ser considerado um instrumento de gestão, visando traduzir o espírito de governança e compliance, além de ser uma referência de qualidade institucional.

Sobre o autor:

Francisco Gomes de Matos é consultor, professor e autos de 39 livros de Liderança, Cultura Corporativa e Gestão. Conselheiro da PUC- RIO. Membro da Academia Brasileira de Ciência da Administração e agraciado com a Ordem Nacional do Mérito do Trabalho.

Fonte:
Sebrae Inteligência Setorial
Autor:
Francisco Gomes de Matos
Publicado em:
7 de novembro de 2018

Você também vai gostar de ler