SEBRAE Inteligência Setorial

SEBRAE

Construção civil

Imagem de título do setor Construção civil
14 de outubro de 2021

Baixa qualificação emperra contratações, diz levantamento da Cbic

De acordo com pesquisa, 59,81% das empresas disseram que falta qualificação do profissional para contratação, enquanto 56,07% responderam que faltam profissionais para a mão de obra demandada

Construcao

Levantamento feito pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic) aponta que 77% das empresas do setor estão com dificuldade para contratar mão de obra. Entre as principais causas, as empresas apontam o baixo número de profissionais qualificados para exercer as funções demandadas.

Na pesquisa, realizada em setembro de 2021, 59,81% das empresas disseram que falta qualificação do profissional para contratação, enquanto 56,07% responderam que faltam profissionais para a mão de obra demandada. E 28,97% das empresas disseram que o valor da remuneração pedida pela mão de obra estava muito alto.

Para o presidente da Cbic, José Carlos Martins, o problema está relacionado ao crescimento do mercado e aos novos sistemas construtivos, que exigem profissionais não disponíveis hoje no mercado. Segundo ele, isso se deve à falta de capacitação dos trabalhadores.

Entre os trabalhadores que o setor de construção mais tem dificuldade de contratar se destacam os profissionais de gestão de obra — mais de 65% das empresas dizem que está muito difícil empregar mestres de obras. Já os encarregados, que também fazem gestão da construção, são apontados por 48,04% das empresas.

O presidente da Comissão de Política de Relações Trabalhistas da Cbic, Fernando Guedes, explicou que a função de mestre de obras demanda credibilidade, que leva tempo para se construir, o que limita a oferta desses profissionais. “O mestre de obras não precisa, apenas, ser qualificado tecnicamente, mas também ter experiência em gestão e a confiança do empregador. Normalmente, ele permanece muitos anos na empresa e não circula muito, diferentemente de outros profissionais de construção. É por isso que há uma dificuldade muito grande de contratação desse profissional, especialmente com a qualificação que é necessária hoje”, disse.

Entre outros profissionais qualificados, 55% das empresas alegaram muita dificuldade na contratação de carpinteiros. Na sequência, o pedreiro aparece com 46% das menções. Por outro lado, não há grande dificuldade em contratar mão de obra não qualificada. Apenas 14,85% das empresas consultadas disseram ser muito difícil empregar meio-oficiais, e 62,5% afirmaram ser pouco difícil contratar serventes de pedreiro.

Apesar de a qualificação ser um elemento que valoriza a mão de obra, as empresas não demonstram dificuldade para contratar engenheiros — somente 24,24% responderam ser muito difícil contratar esse tipo de profissional.

A pesquisa também aponta que, apesar de se queixar da qualificação da mão de obra, a maioria das empresas (52%) não oferece programas de treinamento. “Um dos fatores pelo qual a maioria das empresas não se interessa por qualificar o profissional, é porque elas qualificam o trabalhador jovem e ele vai para informalidade. Nós temos que formalizar mesmo que seja o autônomo, e colocá-lo como profissional capacitado e preparado para se desenvolver”, disse o presidente da Cbic, José Carlos Martins.

Por fim, a pesquisa elegeu os “problemas típicos” que levaram o setor a ter dificuldade na contratação de mão de obra. Segundo Fernando Guedes, empresas e empregados precisam se conscientizar da importância da qualificação, mas, hoje, o programa oficial é inadequado para construção, e a carga horária, inconveniente para os empregados. “Na maioria das vezes o empregado sai de casa de madrugada para realizar um trabalho braçal, cansativo. Chega no fim do dia, ele não vai sair do canteiro de obra para ir à sala de aula aprender e se qualificar”, disse Guedes.

Fonte:
Correio Braziliense
Autor:
Bernardo Lima
Publicado em:
12 de outubro de 2021

Você também vai gostar de ler